quarta-feira, 11 de maio de 2016 - 0 comentários

Testemunho de Bullying Homofóbico



Terminei o 9º ano, mudei de escola já devido a episódios de bullying constante desde o 5º ano. Escola nova, pessoas novas, aparentemente tudo correria bem... até que a certa altura começo a ver a minha vida a andar para trás: já começaram outra vez os episódios de bullying. No meu 10º ano cheguei a ser ameaçado na escola por colegas da minha própria turma com uma navalha e um isqueiro, empurram-me e fiquei estendido no chão, e ninguém perguntou se eu estava bem, ninguém quis saber de mim.

Também nesse ano, entraram no meu facebook e publicaram que era homossexual e que um “ex” grande amigo meu e que tinha me assumido à custa de um amigo meu (a minha amizade com ele perdeu-se até hoje, ele era como um irmão para mim), reagi muito mal perante tal coisa pois não estava preparado. No 11º ano o inferno voltou, desta vez foi bem pior, colegas da minha turma com já suspeitas do ano anterior, leram o meu ask.fm (eu lá fazia a mínima ideia que eles liam essa minha rede social) e descobriram que eu gostava de rapazes e a partir daí passaram a gozar comigo, a por pionés nas cadeiras onde me sentava, chegaram a desenhar um pénis e deixaram na minha secretária numa aula de Filosofia, entornarão-me uma garrafa de leite em cima da minha roupa e foi horrível, deram-me uma chapada, prometeram-me uma carga de porrada, passaram também a ver os sítios por onde andava, a gozar com a forma como me vestia, usava make-up, tinha o cabelo esticado, etc.

O único amigo que tinha na turma difamou-me (fez-se passar por homossexual, a fim se vingar de mim, sei lá porquê, eu nunca fiz-lhe mal a ele, nem sou capaz de fazer mal a uma mosca) por toda a escola e inventou boatos sobre mim, passei realmente um mau bocado. Até que um dia ele entrou na escola a dizer: “Olhem hoje a Maria (eu) esticou o cabelo!” Inclusive tive uma pessoa muito amiga a quem ele mostrou uma fotografia minha nu, disse-lhe: “Isso é beleza artística! Tu não tens nada de andar a difamar o rapaz, nem tu nem ninguém! Não interessa se ele é gay ou não, e se for não tens nada a ver com isso! Mete-te na tua vida, senão vais ter problemas!”
Já neste ano lectivo (2013/2014), um colega meu falou desagradavelmente mal para mim, imitou-me, gozou comigo à frente de toda a turma, escola e professora, mandou-me levar no ** , e chamou-me de p********, disse que eu gostava de leitinho e ameaçou-me que ia fazer a vida negra.

Uma vez estávamos então todos no auditório e íamos ver um filme. Entrámos todos e sentamos-nos e como sempre chegaram aquelas pessoas atrasadas, depois a professora não estava a conseguir colocar correctamente o filme porque as legendas estavam a ficar cortadas...e perguntou: “Quem é que percebe disto? Vocês são de informática certo? Alguém que me venha aqui me ajudar que eu de informática não percebo nada!” ninguém na sala se voluntariou até que ouço dizerem “Vai lá tu engenheiro (esse era o meu apelido lá na escola), eles costumam sempre “empurrar” tudo para cima de mim! E então lá fui eu... [...] Depois começamos a ver o filme, e a certa altura apareceu um rapaz sem t-shirt (e estava a mostrar o corpo do rapaz, eu até estava olhar e apreciar porque ele era lindo e tinha um bom corpo) e esse meu colega mandou uma piadinha (como sempre para pegar comigo e me criticar) achando-se o maior. Via-se o peito do rapaz depois continuou-se a ver o resto para baixo, e quando chegou perto de mostrar a cintura ele disse: “É melhor que a câmara não desça mais senão o Engenheiro fica teso! Olha tem cuidado!” e depois todos começaram a rir e a gozar de mim, eu fiquei tão passado nessa altura, só me apetecia dar-lhe uma estalada, fiquei com uma raiva e ira... apeteceu-me tanto chorar (mas tentei controlar) e fugir dali o mais rápido que conseguisse! Mas não enchi-me de coragem e respondi-lhe (num tom grosseiro e bem direto para todos ouvirem) : “Já paravas com piadinha antes que tenhas um processo disciplinar na secretaria da educação...” , começaram a gozar mais e a me imitar a dizer isso... fiquei tão fulo! A professora ouviu, e disse-lhe que devia respeitar toda a gente, e que pareciam autênticas crianças, que já tinham idade para saber respeitar as diferenças dos outros...” E o meu colega respondeu para toda gente ouvir: “Ah eu odeio paneleiros! Detesto gajos que levam no rabo!” e outro colega meu ainda lhe disse: “Está calado, não armes mais confusão! E se tivesses uma amiga que fosse lésbica ias a desprezar só por isso?” E ele: “Sim! Detesto gays!

Noutra aula de Edu. Física estávamos a leccionar a modalidade de basebol e a professora mandou-me fazer de catcher “quem apanha as bolas”, e certos colegas disseram para mim: “Ah vai lá apanhar as bolas, tu só gostas é disso, seu vadio não fazes nada nas aulas...só gostas de estar sentado e blá, blá blá... e estavam sempre a gozar e a mandar bocas, estão sempre a me massacrar e estou farto, pelos cabelos! Fiquei com um trauma no desporto devido ao bullying passado desde há alguns anos, relembro-me de tudo o que eu passei em pequenino, e entro em modo depressivo, e depois as pessoas não me sabem integrar, metem-me sempre de parte jogado a um canto sempre foi assim... e depois começam a gritar comigo dizendo que eu não sei jogar e que não jogo direito, e gozam comigo, também o facto de não me sentir bem nos balneários com os rapazes, por isso no 11º e 12º tive atestado médico (dado os problemas de saúde que tive à nascença), a educação física, porque fazer aquelas aulas para mim era uma tremenda tortura psicológica! Foi horrível todo este processo...

As reacções dos diversos órgãos educativos foram basicamente de normalidade, ninguém se preocupou demais, falaram diversas vezes com os intervenientes em questão, foram repreendidos inclusive mas nada disso resultou, o problema continuou e não foram feitos todos os esforços para terminar o problema aquando do seu início. Tive professores que ficaram indiferentes e não se importaram minimamente, a professora de educação física do 12º ano, ficou indiferente ao episódio de bullying que o meu colega me fez passar e apenas me disse que iria descontar-lhe na avaliação, nas atitudes da disciplina fiquei incrédulo, isso não foi nada justo, depois da humilhação que passei essa sanção não é dura o suficiente dado a natureza do caso e factos.

Senti-me frustrado, arrasado, injustiçado pelas pessoas nem se preocuparem minimamente com os outros que estão à sua volta, com o bem-estar das pessoas, e com o que episódios constantes de bullying podem causar a um jovem já frágil. Toda a gente naquela escola, deixam que as pessoas abusem, façam o que querem e isso não pode ser assim, não pode, ligam muito à aparência, se tens dinheiro ou não e muitas outras coisas.... está visto que fui para escola errada!

Acabei por abandonar a escola em Janeiro de 2014, isto devido a ter chegado ao cúmulo de tudo e não aguentar mais a pressão psicológica tanto em casa como na escola, ter de encarar aqueles brutamontes todos os dias... e estava na altura de pôr o meu ponto final já não aguentava mais a situação, quanto para mais eu sabia que a escola não estava minimamente interessada em defender os meus direitos, e digo isto com toda a clareza porque em 2013 eu pedi materiais da rede ex aequo para deixar na minha escola a fim de ajudar outras pessoas, o diretor disse: “Sim, sim! Muito bem”. Mas no final de contas não sei o que zeram aos materiais que deixei lá com o intuito de serem distribuídos pela escola, eu nunca vi nenhum folheto ou brochura por sítio algum do espaço escolar, é minimamente vergonhoso isto, fiquei muito decepcionado com a atitude dos superiores da maior e melhor escola do país. Pode ser isso tudo, mas será que é assim tão melhor?

#esefosseconsigo

0 comentários:

Enviar um comentário