sábado, 30 de novembro de 2013 - 0 comentários

Mais uma etapa de vida...

Hoje foram as minhas capas...sou finalista de 12° ano, foi um dia muito chato…. Fiquei a saber que o colega da minha turma (o renegado) ficou a me espiar para ver como eu estava e com quem estava… deve ter ficado cheio de dores de cotovelo, bem como muitos outros que achariam que eu ia sozinho e solitário no desfile desde a escola até à igreja, mas no final de contas, à última da hora arranjei par, uma rapariga por sinal bastante simpática!

Depois decorreu a cerimónia religiosa ... (Não estava à espera conseguir ir à missa pois, já há imenso tempo que não ia a uma...dado o fato de não me sentir bem, é como se fosse julgado não por Deus mas sim pelas pessoas...e me sentir uma abdominacao, e me sentir deprimido visto não me sentir inserido ali...mas sempre consegui) até diverti-me um pouco e não foi muito secante porque fiz uma coisa que gostava muito, dando assim o meu contributo... E adorei cantar no coro da UMA (Universidade da Madeira), senti-me simplesmente bem mas ao mesmo tempo um pouco nervoso por estar ali...e celebrar uma etapa importante da minha vida, fui o primeiro aluno da escola a benzer a capa...o tempo até que passou depressa!

Após o término da cerimónia fui lanchar ao dolce vita, e depois jantar com a família.
Ao cair da noite, por volta das onze e meia fui para o baile, estive ainda um pouco à espera de um rapaz de da amiga dele…estava imenso frio, ainda esperei uma meia hora e durante esse tempo, foram vários os rapazes que olharam para mim de uma forma do tipo “quero te comer”. Depois finalmente conheci a amiga dele, que me disse que tinha ouvisto falar muito de mim nessa tarde. E, o tempo foi passando, ele abraçou-me, andámos os dois de mãos dadas, trocamos olhares, ... E a certa altura estávamos a passar os dois com amigas e apenas ouço "olha dois paneleiros juntos", que grande novidade, isso já nós (eu e ele) sabíamos! A certa altura fiquei deprimido porque não o podia abraçar muito nem e dar beijos porque o pessoal que lá estava ia armar confusão...
E estava a me fazer impressão ver lá imensos casais aos beijos e trocando afetos e eu não poder fazer tal coisa por causa da sociedade presente, é triste isto pois somos pessoas normais em tudo igual às outras e apenas amamos alguém do mesmo sexo...um detalhe que pouco importa, porque o mais importante é o interior de uma pessoa, a sua essência ... É isso que nos define, nada importa a condição social, orientação sexual, gostos, maneira de vestir-se, etc ... Odeio viver num sítio assim como esta ilha minúscula...tem custado tanto, que sofrimento ... E não é pouco!

Depois quando ele se foi embora deu-me um beijo na boca, e assim terminou a minha noite de finalista do 12º ano. E sinceramente não gostei do baile, foi horrível... A música não era a melhor, e as pessoas que lá estavam tampouco, o que valeu foi a companhia que tive!
sexta-feira, 29 de novembro de 2013 - 0 comentários

E...tudo volta ao mesmo drama!

E parece que existem coisas que nunca mudam...




"Desde o 5º ano que já me chamam de gay, depois começaram a fazer de mim alvo de polémica pela escola e a me pôr fama, tive uma "prima" (porque é adotada, e não gosto nada dela) que inventou um boato sobre mim: "Que eu fazia sexo com sofás e almofadas" (onde nem sofás eu tinha em minha casa na altura) e andou a difundir dentro de um autocarro completamente cheio e rapidamente isso soube-se na escola inteira, já fui filmado a andar e esse vídeo foi para ao youtube com fim de gozar com a minha forma de andar, já gozaram com a minha voz imensas vezes, com a forma de vestir e estar. Também já entraram no meu facebook e escreveram que eu era homossexual e que tinha me assumido à custa de um amigo meu (a minha amizade com ele perdeu-se até hoje, ele era como um irmão para mim), já fui ameaçado na escola com uma navalha e um isqueiro, já me empurraram para o chão e eu lá fiquei caído sem ninguém me levantar nem perguntar se eu estava bem, já me puseram pionés nas cadeiras, já me derramaram uma garrafa de leite em cima da minha roupa, já desenharam um pénis numa folha e deixaram na minha mesa na escola, já se aproveitaram de mim (um colega) que fez-se passar por gay para obter fotos minhas intimas para depois andar a divulgá-las (ele era o único amigo que eu tinha na turma e desde aí cortei relações com ele), (...) entre outras coisas!"

Foi tão horrível já ter passado por tudo isto, custa tanto carregar com estas coisas já desde pequeno, já desde que fui para a primária me punham de parte e iam gozando comigo, (e NUNCA ninguém fez nada e o tempo foi passando e agora estou assim como estou!) É triste, certas coisas que sinto poderiam ter sido evitadas se as pessoas soubessem agir correctamente e isso tudo marcou muito a minha personalidade e pessoa. E sempre que o tempo vai passando e vou sofrendo novamente vem-me à memória todos os tempos antigos e aquilo que já passei até hoje e sinto-me de rastos!

Os meus colegas de turma continuam sempre os mesmos... desta vês foi na aula de Matemática em que era dia de teste intermédio e estávamos então todos no auditório e íamos ver um filme. Entrámos todos e sentamos-nos e como sempre chegaram aquelas pessoas atrasadas, depois a professora não estava a conseguir colocar correctamente o filme porque as legendas estavam a ficar cortadas...e perguntou: "Quem é que percebe disto? Vocês são de informática certo? Alguém que me venha aqui me ajudar que eu de informática não percebo nada!" ninguém na sala se voluntariou até que ouço dizerem "Vai lá tu engenheiro (esse é o meu apelido lá na escola), eles costumam sempre "empurrar" tudo para cima de mim!
E então lá fui eu...desci a escada do auditório e dirigi-me à mesa onde se encontrava o computador... E então fechei o programa que estava a executar o vídeo e tentei procurar outro equivalente que funcionasse. Abri o filme e depois andei meio baralhado à procura das configurações que precisava, pois nunca tinha utilizado esse programa e não sabia como era! Enquanto isso, um colega meu já começou a enxovalhar-me e a criticar-me: "Tu não sabes fazer isso! Saí daí! Tu não sabes nada!" eu respondi-lhe de volta e disse-lhe: "Se achas que sabes fazer melhor tivesses vindo TU!" E ele respondeu-me: "Eu não sei!" Que grande ignorante mesmo...
Estas coisas irritam-me tanto, fui me sentar já irritado, esse colega está sempre com a mania que sabe tudo e adora me criticar e meter-se comigo!

Depois começamos a ver o filme, e a certa altura apareceu um rapaz sem t-shirt (e estava a mostrar o corpo do rapaz, eu até estava apreciar porque ele era lindo e tinha um bom corpo) e esse meu colega mandou uma piadinha (como sempre para pegar comigo e me criticar) achando-se o maior. Via-se o peito do rapaz depois continuou-se a ver o resto para baixo, e quando chegou perto de mostrar a cintura ele disse : "É melhor que a câmara não desça mais senão o Engenheiro fica teso! Olha tem cuidado!" e depois todos começaram a rir e a gozar de mim, eu fiquei tão passado nessa altura, só me apetecia dar-lhe uma estalada, fiquei com uma raiva e ira... apeteceu-me tanto chorar naquela altura (mas tentei controlar) e fugir dali o mais rápido que conseguisse! Mas não enchi-me de coragem e respondi-lhe (num tom grosseiro e bem direto para todos ouvirem) : "Já paravas com piadinha antes que tenhas um processo disciplinar na secretaria da educação..." Depois ainda começaram a gozar mais e a me imitar a dizer isso... fiquei tão fulo! A professora ouviu, e disse-lhe que devia respeitar toda a gente, e parecem (e são) autenticas crianças, que já tinham idade para saber respeitar as diferenças dos outros..." E o meu colega respondeu para toda gente ouvir: "Ah eu odeio paneleiros! Detesto gajos que levam no rabo!" e outro colega meu ainda lhe disse: "Está calado, não armes mais confusão!E se tivesses uma amiga que fosse lésbica ias a desprezar só por isso?" E ele: "Sim! Detesto gays!"

Eu já não sabia sequer o que fazer, fiquei tão chocado e passado! Os rapazes da minha turma só gozam e gozam, e pensam que o que eu digo é mentira...mas vai chegar o dia em que irá ser feita justiça...Só me apetece mesmo é fazer queixa na secretaria da educação (já que pela escola ainda ninguém fez nada de útil pois todos continuam a abusar e a fazer tudo o que querem e entendem), penso que iria ser feito algo pois estou apenas a defender os meus direitos, segundo o documento "Estatuto do aluno"

Capítulo II - Artigo 7º
Ponto 1 - Alínea b)

"Ser tratado com respeito e correção por qualquer membro da comunidade educativa, não podendo, em caso algum, ser discriminado em razão da origem étnica, saúde, sexo, orientação sexual, idade, identidade de género, condição económica, cultural ou social ou convicções políticas, ideológicas, filosóficas ou religiosas;"


Os meus colegas de turma são todos uns estúpidos que não valem nada! Sinceramente pensado bem e friamente fui para escola errada, lá julgam as pessoas muito pela aparência, se tem dinheiro ou não, maneira de vestir, não tem respeito por pessoas com outros estilos, todos fazem o que bem querem e entendem...etc.

Quero tanto um abraço e mimos, isto faz-me sentir um bocado mal, eu tento que não faça mas a verdade é que faz...e não consigo controlar isso...custa tanto ouvir estas coisas e não poder fazer nada... (por exemplo: dar umas valentes bofetadas a cada um que nunca mais se metiam com quem fosse homossexual) ou fazer com que quem não respeitasse os outros fosse expulso da escola e tivesse um processo disciplinar... mas aqui nesta ilha não é assim nem irá ser tampouco.
Julgo que um outro colega meu, aquele que fez-me aquilo à dias na aula de Educação Física deve ser renegado antes insultava-me agora está sempre a chamar-me de lindo e a fazer perguntas de teor sexual, okei... isto não é nada normal, ou quer gozar comigo ou então quer outra coisa! Há dias em que a irritação é tanta...que nem há paciência para aturar gente estupidamente estúpida, retardada e malcriada...gente essa quem nem seres deviam ser, comportam-se e tem atitudes que um ser humano digno jamais terá!
quarta-feira, 27 de novembro de 2013 - 0 comentários

A importância da felicidade!

A felicidade é importante para todos nós...é importante sermos quem somos sem medos, credos, julgamentos, nos sentirmos bem connosco próprios, fazermos aquilo que realmente gostamos, seguirmos os nossos sonhos e o resto não fica para além do que gira à nossa volta!



Nunca, nunca é tarde, lembra-te sempre disso...
Quando vezes a certa altura da vida nos apercebemos que estávamos errados e que não era isso que queríamos...e sentimos-nos zangados connosco próprios, porque não exploramos as devidas hipóteses que tínhamos, deixamos de lado algumas, e simplesmente não lhes demos a devia atenção e importância, depois mais tarde crescemos, a nossa forma de pensar e ver o mundo em redor altera-se e o que acontece é nos arrependermos seriamente que foi o meu caso... agora vejo e de olhos bem abertos que Teatro é a minha paixão sem dúvidas e não Informática...
Desde a escola de artes performativas que deu nos MCA que fiquei fascinado, e sempre adorei ver as telenovelas e perceber os diferentes papéis que um ator fazia numa (bomzinho) e noutra novela (vilão). E quando cheguei ao 9º ano surgiu aquela questão que nos surge a todos: O que escolher? O que é que me vejo a fazer? Eu andava com a mania de que queria Informática porque de fato adorava aquilo (TIC e computadores) mas não saberia muito bem algumas das coisas que me iriam surgir pela frente. E, o resultado do meu teste psico-técnico realizado nesse mesmo ano, deu-me como resultado artístico musical , e fui para informática por achar que era isso que queria, mas agora ao chegar ao 12º ano, vejo que afinal não era isso que queria...nunca tinha experimentado teatro e de facto só comecei no ano passado  e adorei, fez-me sentir mesmo bem, 5*! Agora penso: "que erro, onde tinha eu a cabeça", a psicóloga na altura ainda me perguntou e Teatro? Cantar? Não gostas? ... eu respondi que adorava cantar porque só tinha experimentado isso e que Teatro não sabia se gostava... simplesmente por falta de informação, por ter também um pouco de medo dado os meus pais não acharem isso ser vida digna para alguém, e  acabei por encolher os ombros e disse que ia para informática!
Eu acho que as pessoas deveriam ter a oportunidade para experimentar várias profissões e só depois decidir aquilo que se veem a fazer num futuro próximo, pois assim tomam-se decisões plenamente conscientes e acertadas.
Eu nem sou bom aluno a Matemática nem a Programação tampouco (não tenho raciocínio lógico nenhum e não é algo que me motive) Eu adquiri foi um dom para as letras (adoro escrever e sou muito bom nisso) e por incrível que pareça isso só aconteceu depois da minha depressão, foi com esta que consegui desenvolver e ir aperfeiçoando aos poucos esta grande habilidade e gosto pela escrita!

As pessoas não compreendem de facto a importância da felicidade e de alguém tem para mim,  poder estar com alguém para mim é a melhor coisa do mundo, vale mais do que estudar! Pessoas da minha família estão sempre a me dizer: "Estuda e esquece tudo o resto, dedica-te apenas à escola, vais ter tempo para decidires o que queres para a tua vida, ainda não tens idade para saberes o que queres." (Passo-me completamente com essas coisas, caramba, as pessoas nem sabem o mal que me estão a fazer ao dizer-me essas coisas que magoam imenso) A escola para mim não é a coisa mais importante do mundo, mas sim ser amado, ter alguém, ter carinho, amor, felicidade, amizade, ternura, afeto, (...) estar bem comigo próprio e me sentir bem, um rapaz feliz e realizado!

Ninguém compreende ao certo aquilo que eu sinto cá por dentro, às vezes nem eu próprio sei o que estou a sentir... Fazer teatro faz-me arrebitar, me sentir bem, é o meu porto de abrigo, é onde posso aliviar todas as mágoas e tensões, ser quem eu quero e entendo, é onde me identifico realmente, é onde sinto que pertenço, é um mundo onde posso ser quem sou sem problemas, medos ou julgamentos, é de facto uma enorme paixão, é algo tão divino que me faz sentir alegre e feliz, posso tanto expressar a minha raiva, tristeza, revolta, frustração, angustia, receio, medo, arrogância, bem como posso expressar a minha felicidade, alegria, bem-estar, harmonia, paixão, amor, amizade... posso decidir ser alegre ou triste, posso fazer do meu papel a minha vida diária de frustração, angústia e sofrimento, um espelho de reincidências, uma espécie de ciclo vicioso sem saber onde fica a saída, (…) ou posso ser a pessoa alegre, feliz, bem disposta, contente, grata, humilde, fofinha, carinhosa,… de sempre, que por detrás têm uma história de vida de grande sucesso, mas também de marcas profundas que jamais sairão e se esquecerão… Uma história de vivência, muito desalento e sofrimento, porém são essas coisas que o foram tornando na bela pessoa que ele é hoje, é graças a isso que ele é assim…autêntico, original, onde tal e qual ele existe uma pequena, quase escassa minoria. Cada um recebe de mim a parte que cativar...boa ou má. Existe a liberdade de ser-se “nós próprios” ou então passamos a encarar uma personagem que pouco ou nada está relacionada com a forma de ser da pessoa em questão, é todo um trabalho de esforço árduo, dedicação, paixão e muito gosto pelo que se faz acima de tudo
Teatro é encarado por mim como uma terapia, um todo crescimento de saberes nas diversas áreas que auxiliam a construção importante de pessoas capazes para lidar com a vida, o mundo em geral, colocando-se em variadíssimas situações, ajuda também a adquirir competências importantes e contribui sem dúvida para um melhor desenvolvimento pessoal.
Amo TEATRO!
terça-feira, 26 de novembro de 2013 - 0 comentários

Retroceder infinito...


E...tudo anda para trás parece que nada aconteceu....

A minha mãe (depois de tudo, o que fiz, o que já se passou, ...) ainda pensa que eu estou numa relação com uma rapariga, e não lhe consegui dizer a verdade (contradizer-lhe e dizer que gostava era de rapazes e não raparigas e ela que parasse com isso), e não compreendo porque ela ainda pode pensar que eu sou hétero - ela já sabe há muito que eu sou homossexual, mas só que ainda pensa (não percebo como) que eu namoro com raparigas. Então (mais uma vez menti-lhe e fiz o meu papel) tive de lhe dizer que era verdade (senão ela ia dizer-me as coisas mais horríveis de se ouvir à face da Terra), e "apresentei-lhe" uma amiga minha como minha suposta namorada, e ela  depois perguntou-me se a minha suposta namorada tinha facebook  que a queria adicionar como amiga e a conhecer, já me perguntou se ela gostava realmente de mim, se eu já tinha tido relações sexuais com ela, e também se  eu a ia trazer no Natal cá a casa! (Que grande alhada)
E como a rapariga vai a Lisboa em Abril, e como eu quero ir nessa altura tirar umas férias para descontrair do stress do estágio do segundo período e das aulas... espairecer, estar e conhecer pessoalmente os meus amigos virtuais e voltar com energia para o último período de aulas... e então eu disse à minha mãe que gostava de ir com ela, e que precisava de saber se podia ir ou não com antecedência para poder comprar a passagem a um preço barato.
Adias comprei preservativos e a minha mãe começou-me a fazer tantas perguntas: "Perguntou-me se eu já tinha arranjado uma amiga para fazer isso, e se eu já usava isso. Que se era para levar para a escola e fazer brincadeira que não era para comprar! E ainda acrescentou que eram as raparigas quem se deveria preocupar com isso, porque são elas quem ficam grávidas!" (Que terror, como se pode pensar alguma vez assim) Depois dias mais tarde perguntou-me descaradamente se os preservativos que comprei se eram para usar com mulheres, porque se era para usar com homens era para os deitar no lixo.
Eu (mais uma vez tentei dar a volta) e disse-lhe que era bissexual, porque pensei que ia ajudar... (A intenção era a minha mãe tomar consciência de que eu "posso vir a gostar" (gosto)  de um rapaz e se preparar para isso) mas ela disse-me: "Ah não sei o que vês num homem, uma mulher tem tanto para dar a um homem, bem como um homem tem tanto para dar a uma mulher!". E só lhe disse isso como meio e tentativa de melhorar o ambiente! Eu até lhe disse: "Imagina que um dia eu chego a casa com um rapaz, como é? Vais maltratá-lo? E escorraçá-lo de casa ao pontapé?" Ela lá ficou passada e disse-me: Experimenta com uma mulher e vais ver como é bom! (Nem pensar) E perguntou-me sem pudor algum se eu já tinha tido relações sexuais com homens, olhou para mim e depois disse:  "Pensei que tu eras meu amigo e gostavas de mim, não sei que tempestade vai na tua cabeça, eu ao pé de ti ate me sinto um cachorro, por tu não gostares de mulheres!" E ainda acrescentou: "Tu tens de pensar na tua vida e apenas um dia  mais tarde quando já trabalhares e ganhares é que podes estar com quem quiseres e fazeres o que  bem entenderes!" 
Isto acho que são  coisas que uma mãe que é mãe e gosta do seu filho nunca lhe deve dizer isto, é inadmissível! Eu fiquei completamente devastado depois de ouvir disso e desatei a chorar no meu quarto agarrado a uma almofada, essas coisas deixam-me de rastos, por mais que tente não ligar magoa-me muito mesmo! (A minha mãe está a tentar impedir-me de eu ser quem sou, isso não pode ser assim, ela nem imagina o mal que me está a fazer dizendo-me essas coisas) Não sei que fazer mais mesmo!

E às vezes a minha mãe tem outro tipo de atitudes ainda piores...
Um dia chego à cozinha de manhã cedo e estava com o telemóvel na mão, e recebi uma notificação de mensagem e respondi minha mãe: " Não me digas que o gajo não dorme, que já esta acordado a esta hora! Já estas a esta hora nas mensagens, possa! Tu só sabes é andar a pôr coisas no facebook (isso é o que sabes fazer melhor, estudar não é contigo) como aquilo que meteste adias: "É bom acordar e receber uma mensagem da pessoa que gostas!" E tu metes isso logo para toda a gente ver, e eu respondi-lhe à letra: "Não... As pessoas é que têm a mania de se meter na vida dos outros!"  E ela: "Não fui eu que andei a escrever isso no facebook! Tu não escreves é que tens uma família, que acordas e tens o pequeno almoço feito...  isso não escreves! Tu só queres nos destruir a mim e a teu pai! Até já tenho medo e  vergonha de ir para o trabalho, porque vou ser criticada por tua culpa! Já houve colegas minhas que já viram isso no teu  facebook!" 

Por favor...não compreendo como ela pode ser assim e dizer-me isso, eu nem sequer tenho colegas dela adicionadas no meu facebook! E às 6 e meia da manha ouvir isto, tira-me do sério e é mesmo para ir para a escola maldisposto, é que só pode!

domingo, 24 de novembro de 2013 - 0 comentários

Tenho valor...



A minha querida tia já me disse que quem tem mais juízo sou eu e que sou um grande homem, que consigo ver aquilo que os outros não vêem porque simplesmente não querem enxergar (foi tão bom ouvir essas palavras vinda de um coração plenamente sincero e cheio de amor, amizade, afecto, ternura). A minha mãe tem me mentido nos últimos tempos e inventado historias para me afastar dessa minha tia e prima, porque sabe as ideologias delas e claro que elas tão do meu lado (aceitam-me e respeitam-me) e os meus pais não suportam gente assim... Os meus pais tem ciúmes(e o ciúme dizem ser doentio) da minha tia e prima de eu lhes contar a minha vida (os meus problemas e o que se passa comigo cá por casa).

A certa altura a minha tia foi percebendo que algo não estava bem connosco, e foi se afastando de mim e dos meus pais para não criar problemas, assim como eu me afastei da minha tia, uma vez ela falou comigo cá em casa com a minha mãe e eu presentes, e brigou comigo, e pensei que ela estivesse a ficar do lado dos meus pais, mas afinal vejo que foi a minha mãe que lhe andou a meter coisas na cabeça dela terríveis a meu respeito...
Não percebo porque carga de água os meus pais contam a minha vida a pessoas desconhecidas (Qual o interesse disso?) e de família, que só sabem dizer mal de mim e me deitar abaixo...e essas pessoas não podem ajudar (por terem a mentalidade tão reduzida a pó e a antiguidade), a minha tia essa sim podia ajudar (e bem tentou os meus pais por serem cabeça dura não colaboraram nem aceitaram)

Sinto pena das coisas terem chegado a este ponto (não esperava a minha vida estar assim), já lá foi o tempo em que a minha tia vinha cá a casa e levava-me a passear quando os meus pais diziam para ela me levar.
Acabámos os dois por fazer confissões um ao outro de coisas que sabíamos...mentiras que foram inventado para nos pôr distantes...
A minha tia também disse que dado o meu caso é para tentar manter a calma, e mudar de atitude para com eles, quando me vierem com o assunto da homossexualidade responder-lhes: "Por favor a partir de hoje não toques mais nisso, assunto encerrado. Agora estou noutra..." e mostrar muito bem a minha posição para ver se eles me deixam de chatear a cabeça!

Ela está do meu lado, apoia-me e tem me confortado, e tem muita pena e está triste por eu ter uns país e uma família que me trata assim (pois não mereço mesmo). Os meus pais só querem enxergar o que lhes interessa, eles não merecem o filho que tem, só se importam com o assunto de eu ser "gay", é isso que paira na cabeça deles... não sabem ver o tipo de pessoa que eu sou, pondo isso de parte e tentado esquecer. E como já me disseram e muito bem, eles nunca me vão aceitar, eu não me importo que não aceitem (afinal ninguém é obrigado a gostar de toda a gente) mas que tenham o essencial: o mínimo de respeito pelos meus sentimentos e pela minha pessoa!
Mais uma vez tentei como a minha tia me aconselhou me aproximar deles, para tentar ganhar a confiança... mas sem sucesso! Eu sempre fui um "perito em isolamentos" desde cedo isolei-me muito no meu canto e deixei-me para ali estar... sempre fui assim devido a educação que me deram, a minha mãe prefere ver-me em casa deprimido do que eu fale com pessoas que me acarinham que me querem bem (a minha tia e prima, por exemplo). E devo lutar por aquilo que quero, e se for TEATRO, tenho uma grande luta pela frente...
Tenho que me aproximar delas as duas, sem os meus pais saberem...pois o meu lugar é ao lado de quem me quer bem e não ao lado de quem me deseja o mal!

Nem quero mesmo imaginar como será quando eu trouxer alguém a casa... sim, porque não tenciono esconder o meu namoro (quem gosta de mim e me respeita, tudo bem numa boa... de resto as outras pessoas que calem a "porra da boca" e não digam disparates e sejam no mínimo humanas, decentes e tenham respeito pelos outros.) Sinceramente tenho visto cada atitude (que me deixa boquiaberto) por parte das pessoas que estão ao meu redor e me viram crescer que me tira do sério... estão sempre a dizer: "Vais melhorar, nossa senhora irá te ajudar, e bla bla" (Tretas, falam como se eu tivesse alguma doença), ainda não caíram na realidade e duvido que caiam são sempre tecla 3, caramba!!!
sábado, 23 de novembro de 2013 - 0 comentários

Verão de inferno...



Os meus verões são sempre os mesmos, estar em casa, mal ir à praia (fui três vezes este ano) e neste verão durante o mês de Agosto fui trabalhar para o programa "Jovem em Formação" para receber um miséria, para nunca mais...

O que podia fazer eu fiz, nada deu foi resultado! E sei que apesar de ter a idade que tenho vou ter de ser eu próprio a fazer algo por mim, já que mais ninguém o pode fazer... A idade é o que mais me custa... quem me dera já ter os meus 18 aninhos. Paciência, essa coisa que já vou perdendo aos bocados de dia para dia, cada vez me chateia mais viver neste ambiente desconfortante, estou tão mal psicologicamente, que nem sei já.... Eu sei que talvez aguente até aos 18 mas com muito esforço mesmo, porque não está a ser fácil viver dentro da sua própria casa rodeado de pessoas que não prestam mesmo! Um dos meus problemas é ignorar, não suporto injustiças e desde cedo sempre adotei uma posição acertiva em relação às injustiças... ouvi durante anos e anos a família que tenho falar mal de pessoas como eu, isso bastou-me cheguei a um ponto que me fartei e explodi...
Era tão fácil ignorar se não fosse a minha família e os meus pais, isso é que custa, porque foram eles que cuidaram e lutaram por mim desde pequeno... e custa mesmo muito, já tentei me contrariar e tentar desligar várias vezes mas torna-se impossível.

A minha mãe pergunta-me com quem estou a falar, quer controlar a minha vida toda, eu disse-lhe para ela se meter na vida dela, e ela picou-se e disse que eu falo como se ela dependesse de mim para viver, reclama que eu só estou no meu quarto a vadiar e no pc, disse-lhe que ela não se preocupasse porque daqui a uns dias eu já iria sair para o teatro na escola, e ela muito depressa para a escola, e eu para a escola não a minha decisão está tomada... E ela de que serve ires para o teatro e não teres estudos... eu disse-lhe eu vou voltar a estudar no próximo ano, já não posso neste... e aviso desde já que vou estudar longe daqui... E ela é como o teu pai diz, tu ainda vais voltar para o pé de nos e com lágrimas...vê lá o que andas a fazer... E tem cuidado com as coisas que dizes porque magoa!
Que giro, fantástico, isto hein? Quer dizer mágoa a eles, mas o que eles me dizem na cara não deve magoar a mim, de certeza! A minha mãe é tão esperta que diz que o meu curso (queria ir para o curso profissional de interpretação - actor e voltava ao 10º ano) tem desenho e que já se informou, e diz que eu sou um desastre a desenho, e diz que eu vou voltar para aqui a gritar e a chorar, e vai buscar o meu irmão, e mete-o a meio dos assuntos, diz que ela ainda não deu em louca por causa do meu irmão que a tem ajudado através do céu.... e perguntou-me onde era a escola, nem lhe respondi, ela começou a perguntar se era na Inglaterra, ou se era a mesma escola dos famosos, aquela em que o Renato Seabra foi... Ela fala sempre no Renato e diz que eu vou acabar como ele, que mentalidade mais horrível e retardada! E mais, ela disse tu vais chegar lá, eles vão ter casa para ti, vais sentir a falta de teres o almoço pronto em cima de mesa e é só te chamar para vieres comer.

Mas só que pensando, naquilo que fiz até agora e me apaixonou, foi sem duvida o teatro E agora lembrei-me disso...O meu teste psicotécnico do 9º ano deu-me como resultado "Artístico-Musical". Teatro para mim é a melhor coisa porque sinto-me aceite como sou, sinto-me bem, divirto-me e algo que me da bastante prazer de fazer, é no fundo um mundo diferente... E amo mesmo teatro!
E de certeza que consigo vir a ser um grande actor se me soltar ainda mais, como já me disse uma amiga lá do meu grupo de teatro, a mãe do meu padrinho já me disse "se o que queres é teatro vai em frente e estuda isso... Não desistas das tuas paixões e do que realmente queres... Se não for em Portugal será noutro lugar, o importante é fazeres aquilo que gostas!" Sei que corro riscos, em ir para teatro, mas não quero nada ficar com aquele sentimento de chegar ao final e verificar que não segui aquilo que queria para mim mas o que a sociedade me disse para fazer, ou seja, seguir a ideia de sucesso dos outros! E isso é mau e não quero de forma alguma isso... ainda vou a tempo de remediar as coisas! Mas estou arrependido de ter tirado o secundário em informática, a psicóloga na altura ainda me perguntou e artes...mas eu não sabia o que dizer e encolhi os ombros... e nunca tinha experimentado teatro, se tivesse a escolha feita teria sido a mais acertada.
sexta-feira, 22 de novembro de 2013 - 2 comentários

Memórias de uma infância...



Eu neguei a minha sexualidade desde muitos anos, nunca quis ver aquilo que realmente eu era. Foram cerca de uns 5 anos, aos 12/13 anos já comecei a perceber...que havia algo de diferente em mim e que não eram as raparigas que me atraiam mas sim os rapazes me atraiam... Ao início achava isso anormal.. (como todos acham) e não conseguia entender nada daquilo que eu sentia...visto não conhecer ninguém assim com os mesmos sentimentos que eu até à altura! Voltando atrás no tempo, já na minha infância dei os sinais que era um rapazinho "diferente" dos outros, eu andava praticamente em bicos de pés e com o braço para cima, e agora apercebo-me que esses pequenos sinais se deviam a ser homossexual no meu caso, (de forma alguma estou a dizer que isso faz parte da homossexualidade ou que é um factor que dita que uma pessoa é ou não). Apenas, acho que no meu caso se adequam por vezes os maneirismos, a forma de falar, alguns gestos e coisas assim. Mas, só que a minha família na altura da infância não prestou muita atenção, julgando minha mãe isso serem apenas sequelas da paralisia que tive. (Claro que aos poucos fui melhorando e melhorei bastante até o dia de hoje, hoje considero-me um herói, pois se não tivesse aquela força divina, a persistência, e garra para lutar, o destino traçado dentro de mim. O plano traçado pelos médicos que me acompanharam foi o seguinte: eu podia não falar, andar, ouvir, ver, mas felizmente as sequelas foram mínimas e evolui bastante, consigo andar, falar, ouvir, ver - tudo como uma pessoa normal, tenho bons resultados escolares, não fiquei afectado na parte da memória nem nada disso. Apenas na parte motora nomeadamente na perna direita ter a tendência para a puxar ligeiramente quando ando. Ao inicio estava muito pior, consegui evoluir e recuperar bastante... Estive várias vezes entre a vida e a morte e não foi nada fácil de estar cá hoje no mundo, vivo, sobrevivi a muito custo e graças à minha pediatra que me salvou e me deu vida!)

Na altura dos meus 13 anos a minha família já fazia comentários homofóbicos contra pessoas assim como eu, ai fui-me apercebendo da realidade que vivia... E por isso guardei o segredo durante 5 anos, até os 16 .Com o passar dos anos aos 16 as coisas clarificaram-se e decidi sair do armário e assumir-me (em Dezembro de 2012) ...e não negar mais a minha verdadeira sexualidade perante os outros e passei a ser eu mesmo sem problemas nenhuns (o problema foram mesmo as outras pessoas...o problema não somos nós (eu) mas sim os outros.)

Segundo a minha tia (que me aceita, compreende e tem-me dado algum apoio nos últimos tempos) diz que a imagem que passa da "nossa família" para fora é outra... Mas que ela percebe que as coisas não estão nada bem. Ela acabou por se afastar um bocado de mim para não ter problemas para lado dela... (É compreensivo dada a mentalidade dos meus pais)
E a minha mãe nunca nunca mais disse a ela e à minha prima como antigamente quando elas saiam para me levarem a sair com elas...
Infelizmente o que a minha tia me diz é que as coisas são bastante complicadas e que vou ter esperar pelos dezoito anos e ir me aguentando... ela infelizmente já não pode fazer mais nada por mim dado o facto que não pode tomar uma posição (ficar do meu lado ou do dos meus pais) sabendo como as coisas são com a mentalidade dos meus pais. Esses dois seres colocam sempre as culpas nos outros, nunca neles!

Eu agora venho a relembrar-me que tive uma infância muito triste e fechada os meus pais faziam de mim coitadinho, não me socializar, interagir com as pessoas, não brinquei nem interagi com os meus primos(as), nem com as tias(os) os meus pais me deixavam estar/falar! E quando eu tinha um problema (estava doente por exemplo), e me perguntavam o que eu tinha era sempre mas sempre a minha mãe que falava por mim, nunca me deixou expressar livremente, ter liberdade sequer para tal. O mesmo em relação ao vestuário... se eu dizia que queria vestir uma camisola amarela... ela tinha a mania e tinha lá eu de vestir a roupa que ela escolhesse mesmo não gostando, não podia vestir outra qualquer que me agradasse.

E, eu até hoje nunca tive um amigo verdadeiro (tinha pessoas apenas que só se faziam de amigas por mero interesse a fim de obter algo de mim), os meus pais não gostavam nunca (ainda hoje é assim) que me desse com a minha tia e primas, e outras pessoas... Eu sou assim muito fechado, tímido, não consigo fazer amizades, ... porque fui educado assim e a culpa é deles, e inteiramente deles!
Eu quando tinha 12 anos já me chamavam de "gay", mas nessa altura ainda estava estava muito "verde" e ninguém deixava que eu me exprimisse portanto com o passar do tempo comecei a ficar doente, e cada vez mais... Fiquei com raiva, revolta, (ainda a tenho) e uma depressão grande...

A minha tia e prima já tentaram fazer por mim o que podiam mas sem efeito dada a cabeça dos meus pais...nada resultou! Eu não sou de dar "o braço a torcer" e tenho a quem saia, a minha mãe também é assim... De facto, a minha mãe já precisa de ajuda por causa da cabeça dela, porque as atitudes que ela tem para comigo não são nada boas! A minha tia ficou pasmada e custou-lhe a acreditar quando lhe disse os termos que a minha mãe usava quando falava comigo, do tipo, ela fala-me assim (só por não me apetecer comer o jantar, que era uma porcaria e eu não gostava): " Ah se o paneleiro te diz para nos fazeres a vida negra ele que meta o dedo no olho do cu."
Sinceramente, fico completamente passado quando uma mãe diz ao seu próprio filho uma coisa destas ou pior, apetece-me tanto dar-lhe uma valente chapada quando ela diz isso! Uma própria mãe dizer isso a um filho não se faz... podia ser a pessoa pior do mundo, mas isto são das coisas que não se deve dizer a quem quer que seja. Infelizmente, ela trata-me com esses termos mas depois para ficar bem, pela frente e com as outras pessoas desmente tudo, é preciso ter cá uma lata, sinceramente...

Ainda me lembro quando era mais pequeno ia para casa da minha prima jogar SIMS 1 e que ia dormir com a minha prima quando ela vinha de férias quando estava na universidade para matar as saudades... belos tempos tenho cá umas saudades desse tempo, infelizmente o tempo não volta atrás Ao menos nesses tempos não tinha as preocupações que tenho hoje, e toda a gente gostava de mim!

Os meus pais só querem que eu saia (à noite) aos 18 porque dizem se eu sair agora os meus pais é que pagam ( no sentido se houver confusão e eu me meter em porcarias eles é que respondem por mim por eu ser ainda menor de idade) as asneiras que faço (onde eu não faço asneiras nenhumas, nem sou de armar confusão) É um horror eles pensarem assim! Sim já sai algumas vezes, mas teve de ser à força, à pressão e um bocado contra a vontade deles.
Numa noite, a primeira em que sai, disse que ia sair à minha mãe e ela sempre "Não vais, não e não..Vem para casa e ponto final que eu vou trabalhar à noite"o... mas eu insisti tanto, acabei por sair... depois começou toda a gente a me ligar vezes sem fim e eu nunca atendi, a bateria do telemóvel foi-se gastando e por fim o telemóvel acabou por se desligar, mas antes disso a minha mãe ligou-me e do outro lado gritou-me: "Onde andas? Estas com quem? Vai já para casa que o teu pai esta preocupado contigo...ameaçou que ia pôr a polícia à minha procura... e que eu estava a fugir de casa e bla bla." (mas não aconteceu nada disso.)
Desde 31 de Maio nunca mais sai a noite nem me diverti, também não tenho tido com quem sair, por acaso tive um primo que me convidou para umas festas, mas isso ficava do outro lado da ilha e não tinha meio de como ir, por isso fiquei por casa no computador como sempre...

Às vezes até deixo de falar com as pessoas a ver se elas sentem realmente a minha falta... e são raras as vezes que as pessoas metem conversa comigo (rapazes ou raparigas), foram bem poucas as pessoas até hoje que vieram falar comigo via internet ou pessoalmente... caso contrario tenho de ser sempre eu a falar com as pessoas, por exemplo tenho amigos do teatro, mas eles ligam-me pouco e tal... se eu quiser falar tenho de ir ter com eles. Já pensei: "Será que mudei?", bem acho que não mudei, bem quer dizer talvez um pouco, com as coisas todas que já se passaram na minha vida, tornei-me uma pessoa, mais fechada, mais fria, distante, sem paciência, com humor as vezes irritativo, ... Quem me dera que entendessem, era mesmo bom... quem sabe talvez um dia!

Um coisa que ainda me magoa e faz-me impressão é ter perdido o meu irmão à nascença e desejava muito que ele estivesse aqui comigo, ao menos tinha talvez quem me confortar e apoiar quando os meus pais e família me fazem o que fazem!
quinta-feira, 21 de novembro de 2013 - 0 comentários

Preciso de...



A coisas por cá não estão nada  bem... Nem vão ficar! (Já perdi a pequena esperança que tinha inúmeras vezes, foram várias pensando que iria ficar tudo bem...mas não volta sempre tudo ao mesmo, a mentalidade, tudo... )
Os meus pais, estão sempre a controlar tudo o que eu faço, não posso estar ao pc, nem ao telemóvel, querem saber com quem ando falando e com quem falo, (Ainda adias estava no pc a fazer web com um rapaz e a minha mãe e depois a minha mãe começa a fazer perguntas, mas a tempo consegui esconder a janela de visualização: E apenas lhe disse se via alguém no meu quarto para além de mim? Ela disse que não, mas afirmou que estava alguém do outro lado, depois ela sai do meu quarto e diz: "Ah esses filhas da p*** esses p*********") , OH GOD, isso não são formas nenhumas de se falar com um filho, por favor...
Adias estava ao telemóvel e ela mete-se a escutar as minhas conversas, e se ando muito nas sms, ela diz-me: "Larga essa m****!, Tas a falar com quem?" Depois tenho outras pessoas que não percebem as coisas mesmo... Tão sempre a dizer que tenho que estudar, estudar e estudar - Que o resto vem depois e dá tempo, que a minha felicidade dá tempo, passam-me a vida a dizer não vás para a m**** da net, nem do facebook, isso não presta!

Querem ditar tudo o que eu devo ou não devo fazer, e dizem que a minha vida tem de ser assim...e não pode ser assado! Os meus pais tb não percebem porque não gosto de sair com eles, porque como na mesa sempre a pressa e depois meto-me no meu quarto, eu até evito ao máximo sair com eles, (odeio-os, tenho nojo, vergonha de ter uns pais que me tratam assim, ainda depois de tudo o que passei em pequeno, deveriam ser eles o meu maior suporte, mas não...em vez disso só me sabem deitar abaixo) depois se saiu com a minha prima a minha mãe fica com dor de cotovelo e diz que eu saiu com outras pessoas e não com eles! Mais, os meus pais todos os domingos temos de ir pra casa da minha avó, foi sempre assim, mas eles não compreendem que eu estou numa idade que quero fazer outras coisas e não ter rotina... é chato estar lá todos os domingos! Quero fazer outro tipo de programa aos domingos, sair com a minha prima ou minha tia...irmos passear e as compras, tenho de me juntar a quem me quer bem, e não a quem me quer bem! E tipo a minha tia e a minha avo se não me vêem uma semana já me começam a ligar e a mandar para a cabeça que não as vou visitar, não conseguem passar sem mim... vai ser bonitinho para quando eu me for embora para Lisboa, em principio em Julho do próximo ano...não restam dúvidas!

Planeio tirar um curso CET de (qualquer área que me manifeste um grande interesse)... O pior é que não sei se os meus pais estão dispostos a me financiar o curso dado que eles implicam tanto com as questões da minha homossexualidade, e não sabem por tudo em pratos limpos, sei que se as coisas não são como eles querem e entendem dá para o torto!  Depois, ainda existem mais coisas que não tão bem..  Eu não posso fazer nada, não posso estar com ninguém, só falta como diz a minha prima me colocarem numa caixinha fechado.  Não sei o que fazer, e já estou farto desta pressão toda, todos os dias tem havido stresses, não sei se aguento esta pressão toda, e estou com um felling, um pressentimento, que não vou conseguir aguentar... e que a escola vai ficar a meio...  Também outra coisa é que as pessoas não entendem o quanto é importante para mim ter alguém (namorado e amizades verdadeiras)... para mim é importante ter um suporte, alguém que goste de mim, que me compreenda, que me apoie em todos os momentos, que fique ao meu lado quando eu mais precisar (na altura que mais precisei de alguém na vida há uns anos atrás não havia ninguém, tive de sofrer sozinho e em silêncio, ninguém fez nada por mim) por mais que eu tente explicar são pouquíssimos as que percebem-me na perfeição, tenho me sentido tão sozinho e abandonado...  Nem tenho amigos, algo que me suporte, e a quem possa recorrer!  Nunca mais estive com ninguém, nunca mais saí e me diverti, tenho andado sempre sozinho e solitário, como um cão perdido sem dono. Tenho uma imensa pena de já não estar em Lisboa, assim ao menos já tinha com quem conversar, passear, e não me sentia na solidão, um inútil, é tão mau tudo isto...

O problema é que estou a sufocar nesta casa, e sinceramente o que me apetece é ir para a casa da minha tia e ter sossego, mas não posso fazer isso porque os meus pais armam guerra aberta...  já estou farto de controlarem tudo o que faço! Irrita-me bué, só me falta mesmo seguirem-me a ver onde vou é tão mau! Na escola já neste ano lectivo, um colega meu falou bué mal para mim mandou-me levar no ** , e chamou-me de p********, disse que eu gostava de leitinho, e começou a falar bué mal, à frente da prof e dos colegas... que malcriado..., disse que me ia fazer a vida negra,  que ia bater no meu namorado falei com o meu DT e com a prof do ensino especial sobre isso...A situação já tá resolvida, ele foi chamado atenção e foi avisado que se repetisse tinha um processo disciplinar, e ia para casa 2 dias e assim sendo chumbava por faltas! Ainda bem que fizeram alguma coisa, aleluia! Não queria sofrer como no ano passado, já me bastam as coisas cá em casa, o que os meus pais me fazem, andam com a mania de ditar a minha vida e de controlar tudo o que faço. O ano passado os meus colegas puseram-me piones nas cadeiras, entornaram-me uma garrafa de leite, e andaram a me difamar, e não foi feito nada! E quanto a isso que o rapaz me fez este ano letivo os meus pais disseram-me que a culpa disso é toda minha, que o culpado sou eu, eu é que quis me assumir, e ainda dizem que é bem feito me fazerem isso, o meu pai disse:"Ah esses amigos com quem tu andas, tens de mudar o rumo da tua vida! Assim não vais chegar longe!" 

Eu cá lhes disse na cara que eles um dia iam acordar para a realidade mas ia ser tarde demais, e eles perguntam-me que realidade? Eu deixei-os sem resposta, também lhes disse que as outras pessoas é que tem de aprender a respeitar os outros como são, e eles para mim: Como são o que? Se vermos bem o problema esta nas outras pessoas e não em nós! Sei que não posso fazer nada para mudar a mentalidade deles,  isto custa-me tanto e não consigo ser uma pessoa neutra, e deixar o que eles me dizem a parte, afinal eles são meus pais!  E é engraçado que é a família da parte do meu pai que me faz  vida negra e  porque os meus pais tem de se dar com pessoas com as mesmas ideologias do que eles, tudo o que é diferente (família da parte da minha mãe) e foge à regra e pensa como eu penso, é visto como pessoas que me levam para o mau caminho e que me influenciam...  Não sei como podem pessoas pensar assim...
Tipo eles não querem crer que estamos no séc XXI eles não querem mesmo se actualizar e se adaptar aos tempos e a minha  mãe recusa-se é a aceitar as coisas como são, eles ainda acreditam que eu não posso ser assim, como se fosse questão de poder..  E pelo que vejo não posso criar guerra, porque se crio guerra, as coisas correm mal, eu fico revoltado, a escola não corre bem, descarrego em cima de pessoas que não tem culpa nenhuma, ... e depois é só chatices até nem sei onde  é tão mau, eu tenho tentado não criar chatices, o problema é que eles não me deixam em paz! É triste estas coisas, mas acredito vivamente que um dia se eles tem consciência das coisas ainda se vão arrepender e muito, ai pode é ser já tarde demais, ou será mesmo!

Preciso tanto daquele abraço, daquele beijo, daquele carinho na face, de palavras meigas e reconfortantes, de atitudes nobres...faz imensa falta, não ter nada disso,  sinto-me tão, tão mal.
Acho que o meu maior defeito, é pensar demais nas e coisas e continuar sempre a remoer, por mais que eu queira é difícil para mim conseguir avançar para a frente, há coisas do passado que ainda não ficaram resolvidas... Quero alterar isto, estou farto de me sentir sempre mal todos os dias, entrei num ciclo de reincidências e não sei como sair dele, estou farto de sofrer, de ser uma pessoa boazinha demais e depois todos abusarem de mim a torto e a direito (esse é o meu grande mal) eu não faço mal a uma mosca, e tenho sofrido tanto nos últimos tempos, (...) quero parar de ser assim e mudar, só não sei é como fazer essas mudanças, por vezes acho que como me sinto preciso de uma terapia de choque que me faça sentir melhor.
O simples acto de estar com  alguém e esse alguém me dar um abraço, um beijo, carinho, ... isso faz-me sentir muito melhor, melhora em muito o meu estado de espírito, o meu humor!

Já não sei mesmo o que faça mais estou desesperadamente desesperado que faça os meus 18 anos e que me vá embora daqui desta ilha!
Preciso de estar bem, de me sentir bem, preciso de paz...
quarta-feira, 20 de novembro de 2013 - 0 comentários

Sem título...



Pessoas e mais pessoas neste mundo imenso…querem lá esses seres saber de mim, se importar verdadeiramente comigo, me dar o devido valor que mereço, reconhecer a grande pessoa que eu sou, e a minha parte humana esquecer os meros detalhes da minha intimidade pessoal. Não, decerto que não mesmo, só sabem dizer mal de mim, desrespeitar-me, me fazer sentir abaixo de lixo, por o meu ego lá no fundo, sempre o mesmo…dia após dia, horas a fio, cansa, ficamos saturados, e chegamos a um ponto em que temos de encontrar forças em todos os sítios por forma a ultrapassar tais dificuldades da vida que nos vão surgindo na nossa caminhada em relação ao futuro que aí virá. Por vezes choramos, pois somos humanos e ninguém é forte como o ferro, ninguém consegue guardar tudo para dentro, é preciso também deitar cá pra fora as mágoas e as angústias pelas quais passamos no dia-a-dia, chorar faz-nos bem, alivia a mente e a alma, faz-nos sentir que somos seres humanos de verdade.
Nenhum ser me venha com a história, de que um homem que é homem não chora, isso é uma completa mentira, pois todos temos sentimentos e não devemos ter vergonha de nós próprios, de sermos o que somos, homens de verdade, também choram, amam, riem, sentem-se destroçados, destruídos por dentro, parecendo que o mundo vai acabar, ficam noites pensando no que fazer, homens gostam de atenção, carinho, conversas, (...) de se sentirem amados, de se sentirem importantes para alguém! E acima de tudo homens também sofrem, sonham e têm um projecto de vida!

Por vezes surgem-nos dúvidas, em relação ao futuro, à vida, às pessoas, ao mundo em redor, e fico apenas com perguntas na palma da mão:
- Será que pessoas que me dizem, o que dizem, gostaram verdadeiramente de mim independentemente do resto, dos detalhes??
- Será que podem ser consideradas de família, sofrendo eu o que tenho sofrido à sua custa??
- Será que alguém merece passar por tanto??
(….)
Tenho de me focar nas coisas boas e nos momentos bons que têm acontecido apesar de tudo, olhar o sofrimento como forma de ser-se mais forte na vida, de crescer-se como ser e como pessoa, de aprender com os erros e lições…agarrar os momentos de felicidade e crescer junto com ela. E o que seria da vida sem um pouco de tudo? NADA!

Não há ganhos na vida sem sofrimento, aprendemos a nos tornar-mos mais fortes, e mais maduros. Quanto à família, a única que tenho tido mais perto de mim, tem sido os meus amigos e o meu namorado, e uma ou outra pessoa chegada e são esses que me tem dado apoio e muita força para continuar a lutar. A família que esperava dignamente que me respeitasse, apenas me mata aos poucos e poucos, e puramente isto: Não me interessa falar com esses seres, nem fazer nada, nem pôr a mesa nem o raio que o parta, quero estar sozinho no meu espaço confortavelmente e falar com quem eu quiser...e sim já sou uma pessoa crescida, já sei tomar bem conta de mim próprio, já sei com quem me devo dar ou não, não sou um parvo ou estúpido de primeira…. Fartei disto tudo é sempre a mesma cena todos os dias...Ninguém tem paciência para aturar “cenas do outro mundo” a toda a hora, chega de uma vez. Se esses seres me respeitassem não estava a pensar em sair de casa, mas sim a estar com toda família que me amou estes anos todos e que agora me está a destruir.

Será que não vêm isso? Será que ninguém o vê?
Eu sou aquilo que sou e não vou mudar, só para pôr pessoas satisfeitas com um sorrisinho flagelo na face, não…eu não sou desse tipo de pessoa, o importante é que gosto de mim como sou e não tenho vergonha alguma de o demonstrar, e sinto-me muito bem assim.

Quanto mais distância desses seres que me fazem mal, melhor… quero apenas estar no meu canto sossegado, e na menor da hipóteses nem posso, nem no meu próprio quarto, pareço que vivo nem sei onde, isto sei lá o quê...estou farto de viver aqui e farto desta gentinha que me dá cabo do juízo...não tenho paz nem sossego tão cedo. Respeitem-me como vocês se respeitam. Estão sempre a tentar controlar-me e isso está a destruir a nossa relação (pior a cada dia que passa).

Será que existe alguém que se pode tentar pôr na minha posição por um dia, para sentirem esta revolta, angustia, raiva, dor, e tantos outros sentimentos que sinto por estar a ser afastado por toda a minha família?
Enquanto eu não sair daqui desta casa, e ir para junto de quem me ama e das pessoas que querem o meu bem, irei ter que suportar tudo, sei que sou forte, daqui até lá ainda tenho uma grande caminhada a fazer, sei que irei passar por cima e conseguir alcançar a felicidade ao lado de quem mais amo, irei conseguir lutar e concretizar o meu sonho, mesmo que passa isso tenha de fazer enormes esforços e sacrifícios, mas no fim valerá a pena e ficarei muito grato por assim ter sido…
Nunca desistir, o caminho é em frente, e ao teu lado sei que ficarei, A cada dia que passa, o tempo vai diminuindo e a vontade aumenta cada vez mais, já falta pouco e acredito que o tempo passará depressa até recomeçar a minha vida…com novos ares, novas coisas, novas pessoas, novas histórias, e sofrimento enterrado nas páginas do passado.

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ZQ7oqmikZDQ


terça-feira, 19 de novembro de 2013 - 0 comentários

Teatro...uma vida, uma alma!



Participei no grupo "O Moniz - Carlos Varela" no ano letivo 2012/2013, e sem dúvidas que este me permitiu crescer um pouco em pessoa, aprender mais sobre a vida e crescer fundamentadamente com esta arte magnífica em que me encaixo bem, o teatro, coisa que até a data nunca tinha experimentado e, é com algum arrependimento que o digo, pois se tivesse experimentado mais cedo teria sido muito bom para mim em todos os sentidos e decerto que já tinha adquirido mais competências.
A participação no grupo permitiu-me lidar melhor com a vida,com os problemas e frustrações... estar em palco é algo magnifico. Ainda bem me lembro das primeiras vezes que pisei aquele palco, os nervos eram tantos que ficava sempre com as "pernas a tremer", era algo que não conseguia controlar mas aos poucos e poucos consegui ganhar auto estima e confiança (na altura andava numa má fase da minha vida, graças ao teatro também consegui fazer progressos a ultrapassar uma depressão que me tinha ocorrido na época em que entrei para o grupo).

Foi no teatro que tudo fazia sentido, era dos únicos sítios onde me sentia confortável e verdadeiramente bem que não pensava em mais nada,era como se os meus problemas desaparecessem praticamente todos, fora do teatro eu continuava a ser o rapaz com tantos problemas à sua volta, foi também o sítio onde conheci pessoal incrivelmente fantástico e maravilhoso, foi sem dúvida a melhor coisa do ano de 2012, após um ano tão negro tinha que haver no meio da escuridão algo de bom. O teatro é uma arte, um dom, representar é uma coisa maravilhosa, fantástica. É sorrir, é amar, é chorar, é gritar, é interpretar, é viver, é descobrir (...) é um vasto leque de magnificas emoções à mistura tudo numa personagem. Uma coisa que facilmente me apercebi foi, que o pessoal do grupo de teatro, era todo “open mind” sem julgamentos nem preconceitos associados para com as outras pessoas, e um grupo cheio de união e força, onde se ajudavam uns aos outros no que fosse necessário. É, no fundo um mundo onde todos são aceites e bem-vindos, tal e qual como são!

Com o tempo, o “bichinho” e a vontade de fazer teatro era cada vez mais, e custava chegar ao fim de quarta-feira e ter de esperar que passasse o fim-de-semana até chegar a segunda-feira ao fim da tarde para fazer-se teatro,com o tempo o teatro passou a ter um grande valor para mim, e tornou-se numa verdadeira paixoneta foi aí que me fui apercebendo, que aquilo que deveria ter seguido a nível de estudos, deveria ter sido teatro e não informática, tal como tinha dado o resultado do meu teste psicotécnico de 9º ano. Mas, o que vale é que nunca é tarde para realizar os nossos sonhos, por isso mesmo em 2014 irei (re)começar uma nova etapa da minha vida, lutar pelas minhas convicções a fim de realizar o meu sonho (vir a ser actor) num futuro próximo.

O teatro é arte, é sentir, é representar, é ter um papel, é alma, é paixão, é empatia, é confiança, é mais que um hobbie. É um dom que poucos conseguem ter, de ser exprimir, seja através de gestos, formas, palavras ou até mesmo canções recheadas dos mais tantos sentimentos existentes por este mundo além. O que me dá mais prazer é fazer os espetáculos, eu adoro estar em palco, e conviver num mundo onde sou aceite e me dou muito bem, sem preconceitos nem julgamentos associados. A minha vida tinha e têm um outro sentido completamente diferente com ao teatro, sem dúvidas que este ajuda-nos imenso acrescer como pessoa, nos mais diversos níveis.

Um eterno agradecimento a todas as pessoas que me ajudaram a mudar a minha vida grandemente neste ano que passou, um grande obrigado a todos os membros do grupo de teatro, à professora dirigente é uma excelentíssima pessoa, obrigada por todo o apoio e conforto que pude sentir por parte de todos aqueles que tornaram este ano que passou melhor, com mais vivência e luz! Foi com o teatro que a minha vida deu uma reviravolta completa!

AMO-TEATRO! <3 
segunda-feira, 18 de novembro de 2013 - 0 comentários

Cansei...


Cansei. Estou cansado de tudo, tudo. Já estou farto de chorar sem parar, de não ter ninguém a meu lado, não ter a quem dar um abraço, um beijo, mimos, carinho (...) não ter aquela pessoa que me diga "Vai ficar tudo bem, não te preocupes!", e que de facto isso seja a realidade, são simples gestos mas que para mim fazem toda a diferença no meu dia.
Já estou farto que as pessoas se afastem de mim sem motivo aparente. Já não aguento este tamanho sofrimento, e o que mais me repugna é que são poucas as pessoas que conseguem ver que eu estou a sofrer e muito... poucas são as pessoas que me entendem na perfeição e percebem aquilo que eu sofri e ainda hoje sofro. Para quê sofrer tanto na vida? Pergunto-me eu a mim mesmo vezes sem conta. Será que merecemos isso.
Será que merecemos ser tratados de forma diferente das outras pessoas, nos sentirmos excluídos, postos de parte e abandonados...apenas por gostarmos de alguém do mesmo género que nós. Será que amar alguém é covardia, pecado, contra natura? É proibido? Amor não escolhe idades, género, cor, raça, aparência ou condição social.

Já não sei que hei mais de fazer, esta dor é insuportável, sinto que o meu corpo não aguenta muito mais, estou de rastos e com este aperto no coração, estas coisas a pouco e pouco estão a tomar conta de mim, e cada vez mais fazem me sentir mal... E o pior disto tudo... é sentir-me impotente, sem nada que eu possa fazer para alterar o presente e observar que não existe alguém que me possa ajudar a sair deste pesadelo sem fim à vista. Custa tanto me sentir assim e é tão triste...ser afastado de todos pela própria família, será que as pessoas não vêm que isso me esta a matar aos poucos e poucos, porquê?, porquê? Será que cometi algum crime, ou fiz algo de grave para merecer isto? Estou farto de ficar sempre como o mau da fita. Pessoas e pessoas que só falam da boca para fora como se soubessem toda a minha vida e o que tenho passado, é irritante no mínimo...infelizmente as pessoas só enxergam aquilo que querem ver, o resto fica para lá da realidade, é triste, eu sei, mais valia tudo ser diferente, mas não é...
Porque me dizem que a minha felicidade não é importante agora? Será que sabem o quanto isso é importante para mim? Ser amado e poder amar alguém, ter com quem partilhar os bons e menos bons momentos, viver a vida ao lado dessa pessoa, ...

Seres que querem controlar toda a minha vida toda, estão a tirar-me a liberdade que ainda tenho, não suportam o facto de eu falar com alguém, querem que seja anti social, inventam mentiras para me por contra pessoas de quem gosto muito, (...) fazem de tudo a um ser, tudo o que não deveriam de fazer, ao ponto de pensar em fazer coisas que não deva, e que não irão resolver de nada. Que faço a tudo isto, como irá ser a minha vida, estou sem rumo sinto-me perdido numa estrada sem fim... Sabe, por fora posso parecer feliz, mas por dentro sinto a maior infelicidade do mundo, e não sou uma pessoa feliz, podem me dizer vezes sem conta que tenho tudo para poder ser feliz, mas não tenho! Falta-me amor, carinho, palavras de conforto, um abraço, um beijo, um olhar doce, um carinho na face, ...
Os seres que vivem nesse mundo algures nem sabem como uma pessoa que tem falta de pequenas coisas se sente verdadeiramente... De que serve ter dinheiro, tecto, roupas caras, tudo do bom e do melhor, e não ter o mais importante, amor. Amor vale mais do que dinheiro ou qualquer outra coisa. Sinto-me revoltado, angustiado, farto, cansado deste mundo assim.

Qualquer dia não sei o que será de mim... Eu quero muito concretizar os meus sonhos, lutar por tudo aquilo que tenho direito, o que mais me importa e preciso agora é de ser feliz, não me importo com o resto...
Sinto que as pessoas à minha volta estão dando cabo da minha vida, destruindo os meus sonhos, dizendo que o mais importante não é ser feliz, que isso não importa para agora, como podem as pessoas podem ser rudes e desagradáveis até este ponto? Como?

E esta é a minha vida.
domingo, 17 de novembro de 2013 - 0 comentários

Mesmo depois de tudo...



Mesmo depois das grande dificuldades passadas no 11º ano, felizmente consegui passar a tudo e irei para o 12º ano, isto porque no primeiro período não andei nada bem, foi na fase em que estive com depressão e não foi fácil estudar, desimportei-me um bocado dos estudos, mas o que importa agora, é que consegui transitar de ano e passar a tudo com notas razoáveis, poderiam ter sido melhores se não me tivesse acontecido tantas coisas, tais como sofrer de bullying homofóbico na escola, ter uma má relação com pais e família, estar revoltado contra o mundo e contra todos.

O meu defeito é que por vezes encaro tudo como um grande problema e sofrimento que tenho de carregar, infelizmente é assim. O problema, é que todo o mundo ao meu redor tende em por as culpas em cima de mim, eu sei que não tenho culpa, sei que já nasci assim que isto é uma coisa que vem comigo desde cedo, e eu inevitavelmente acabo por me sentir um bocado culpado pela situação toda, pois a minha família exerce uma grande pressão sobre mim e humilha-me por ser o que sou.

Os meus pais dizem-me sempre que não tenho idade para ir ali ou acolá, que não sei fazer nada (eu sei fazer as coisas, tratar da lida doméstica e tudo mais, porém os meus pais insistem mais um vez em me rebaixar argumentando, que não tenho valor, que não vou ser ninguém na vida). É tão triste mesmo!

Este ano lectivo passei por situações muito péssimas com a turma que me calhou, e infelizmente para o próximo ano irei ficar colocado na mesma turma, devido ao facto de não existir outra do mesmo curso. Os meus colegas de turma fizeram-me passar um mau bocado, primeiro começaram a fazer perguntas em relação à minha vida pessoal, intima, às quais eu não dava resposta e perguntava às pessoas em questão se teriam algo a ver com a minha vida, se mandavam nela...
Depois sempre continuou a situação...até que um dia me ameaçaram bater fora da escola, mas pelos vistos era só "garganta" e ameaça, pois não chegaram a fazê-lo. Cheguei a falar com a minha DT umas duas vezes sobre todas estas situações e esta ainda tratou de falar com os envolvidos, mas ficaram uma semana bem, mas depois continuou tudo na mesma os piones nas cadeiras, estarem sempre a falar mal de mim...isto tudo até o fim do ano lectivo, não foi nada facílimo de suportar-se, custou imenso, haviam dias em que chegava a casa passado, em que só me apetecia chorar e fazer alguma coisa para os parar, mas não soube o que deveria fazer dado o caso, nem tampouco como havia de reagir perante tudo o que se passou. Fiquei e estou extremamente farto dos meus colegas de turma, só me fazem sentir mal e me deitam abaixo, tento ser forte e não ligar mas aquilo corroí-me por dentro e faz-me sentir mal e inútil!

Já há algum tempo que sinto que: preciso de parar...de resolver as coisas comigo próprio, os problemas que tenho de auto-confiança e auto-estima, de como lidar com as pessoas ao meu redor, esta ideia já não é de agora, só não parei porque pronto tentei não deixar o 11º ano pelo caminho, mas esse pensamento cruzou a minha mente diversas vezes. Preciso de estar e me sentir bem bem, para então poder recomeçar a minha vida me sentido bem, e não andar como tenho estado ultimamente... percebe-me acha que de facto esta escolha seria boa, parar por um tempo? E a razão para a qual acho por bem parar é a seguinte, é para curar o estado psicológico em que estou, que não é nada nada bom nem animador, enfim....  passar a me sentir bem e feliz...e a pessoa que era antes, tornei-me frio, distante, agressivo, sei lá... tanta coisa, até ao respirar sinto uma aflição dentro de mim, nem sei como hei de explicar estes factos. A verdade, é que verdade o que tem me acontecido nos últimos tempos tem mexido comigo duma maneira muito brusca, o que tenho sofrido e o que tenho passado fez-me tornar um bocado o que não era... isso são tudo questões que tenho de resolver.

Depois perto do final das aulas...em maio, no último dia do mês saí à noite contra a vontade dos meus pais para ir à discoteca gay e poder me divertir um pouco... mas a diversão acabou por dar para o torto: Comecei a beber, e fui bebendo, até não poder mais, depois a certa altura já me encontrava na rua não sei como... foi também nessa noite que experimentei fumar, e foi uma experiência má que não quero voltar a repetir! Uma semana depois estava eu de cama com uma gastroenterite, passei mesmo mal, só conseguia comer gelatina e beber líquidos, acabei por perder alguns quilos!
E fiz isso tudo porque estava farto de tudo, dos meus pais de tudo...dos problemas na escola, em casa, de conviver com gente que só me maltrata mas sei que não serviu de nada, os problemas continuaram e a bebedeira foi apenas uma lição...arrependi-me severamente de ter tomado uma bebedeira destas, mas quê eu precisava de algo assim.... Mesmo assim depois de tudo, eu tenho sido bastante forte mesmo depois de tudo o que tenho passado, mesmo muito, não é de certeza  qualquer um  que aguenta o que eu já passei e passo!
Os meus pais no dia a seguir à saída à noite, andaram à minha procura pois não sabiam onde eu estava e tiveram uma grande discussão para comigo por ter feito o que fiz, e que isso não se fazia, que não é certo...e bla. bla, bla foram me buscar e trouxeram-me para casa...
Depois começaram com muitas perguntas e me disseram-me coisas sem nexo horrorosas, tanto que eu passei-me e disse-lhes: "O vosso problema e eu gostar de homens não é??? Já sei que não me compreendem.... Não adianta mesmo"

A minha mãe sinceramente não me pode ver a falar com ninguém, não me suporta ver com amigos)... Que horror, quer sempre saber com quem falo ao telefone mas não lhe disse, estava a me irritar tanto que quase lhe dizia que estava a falar com um rapaz  e se ela tinha problemas com isso!!!
Depois no dia seguinte, fui à casa da minha avó e a minha tia pegou comigo por causa do "chupão" que tinha no pescoço, a quererem saber o que era...Que raiva! Odiei!

A minha mãe diz-me que não tenho carácter nenhum que não sou nenhuma pessoa, que não sou nada, ofende-me ao mais alto nível, uma coisa que já percebi, é que não aceita de maneira nenhuma o facto de eu ser homossexual e por isso faz-me a vida negra. A minha mãe diz-me que a minha adolescência não é saudável, diz que é doentia. E que eu estou maluco da cabeça. A minha mãe já me disse isto mil e uma vezes...:  "Eu já te disse, estuda faz a tua vida arranja trabalho, se independente depois andas com quem quiseres e fazes o que quiseres da tua vida, isso não é problema nenhum para agora!! Que mania tens tu em te assumir, tu nem sabes o que queres da vida! " Depois outro facto é o de esta estar sempre a buscar o assunto mulheres para me impor, parece-me que quer obrigar a ter algo com uma mulher...

As coisas voltaram ao mesmo patamar, de como já estiveram....pessoas da minha família (minha mãe, tia e avo) disseram-me coisas que me magoaram e estou em baixo....
"A minha mãe disse que eu era um falso, um pobre e mal agradecido, minha tia e avo dizem que vou bater na parede, que não tenho idade pra saber o que quero, que dá tempo e mais tempo, que eles a que tem razão e que um dia lhes hei dar razão...que os amigos que tenho só me deitam a perder, que devia ter vergonha....E que a minha mãe sacrificou-se tanto por mim e que eu não lhe dou valor... " Basicamente estão todos a quer me por mal, me deitar abaixo e me fazer a vida negra, me obrigando a renegar literalmente a minha orientação sexual, não sendo isso possível, é um coisas errada e que não se admite da parte deles, não me podem fazer tal coisa... Já estou farto de conviver com gente desta laia, tenho a família toda contra mim, eu sou só um a lutar contra muitos, não sei mesmo o que fazer!!!
A minha mãe também curiosa andou a tentar ver com quem teclava no telemóvel e viu um nome dum rapaz, que raiva... Já não posso falar com ninguém, não há paz nem sossego, ela depois já queria saber coisas sobre ele. Caramba não sei que hei de fazer.
Santa paciência onde vou arranjar calma para isto tudo, já não tenho! Já me bastam os problemas psicológicos por resolver que ainda tenho comigo....ainda mais esta.

E depois ainda tem a lata de me dizer que não tenho razoes para ter certas atitudes.... Que sou um rapaz que tenho tudo, que tenho uma família como ninguém tem, perfeita (essa deve ser a gozar é que só pode) eu tenho é uma família que não me suporta por eu ser aquilo que sou, uma família que farta-se de fazer de tudo para me pôr mal, em baixo, chegando eu a pensar em suicídio, o que não é nada bom, qualquer dia não tarda muito se continuo neste ambiente estou com mais uma depressão...Dizem só que a culpa é toda minha, que sou eu quem não sabe dar valor...etc.
Eu tento ser forte e não me deixar ir abaixo, mas o problema e que isso vem da minha própria família de quem me devia apoiar e ser o meu suporte, mas no entanto não o é...é triste, odeio tanto as coisas serem assim.... Que vida esta que eu levo, eu tento ter calma mas as vezes me falta, e só me passa pela cabeça fugir, fugir disto tudo, ir ter com alguém que me ampare e que me ajude (no que precisar).... Não aguento viver assim, não quero!!!
O pior da minha família, é que eles me deixam mal em todas as situações....fico como o mau da fita, todos me apontam o dedo e me rotulam, tipo a minha psiquiatra e tudo o resto ficam do lado dos meus pais e eu fico na m****! A minha mãe não me pode ver no computador a falar com amigos :ela diz: "Ainda não te fartas-te dessas m*****, ainda não te fartas-te!" Eles consideram-me a pior aberração que existe, um bicho que não merece viver tal e qual como é....

Estas férias ainda mal começaram...passei o dia no computador, que seca, depois a minha mãe começa a me chatear que não faço nada... e bla bla, tenho problemas em fazer amigos, todos os problemas que tive com os meus pais, tenho também problemas de auto-estima e de confiança, e sinceramente eu aguentar e suportar isto tudo não é nada fácil, não é nada bom eu estar envolvido neste ambiente tenho de sair daqui, eu quero muito sair daqui, desta casa por uns bons tempos, não aguento, quero muito ir para Lisboa, lá ao menos tenho quem me dê apoio, amigos, e tudo o que será melhor para mim. Já deixou de fazer sentido eu viver nesta casa e com os meus pais, não aguento aquilo que eles e toda a minha família me faz passar...chega, basta! Atingi os meus limites!

Odeio tanto, o facto de isto ser assim, nunca pensei em dizer isto mas tenho odeio, raiva, nojo dos meus próprios pais, o que eles me estão a fazer é negar aquilo que sou e me reprimir para voltar a ser como era dantes uma pessoa mais infeliz ainda, escondida dentro do armário. Não consigo conviver com gente assim...porém tenho de arranjar uma solução e depressa pois não estou para aguentar muito mais tempo esta situação...Por vezes só me passa pela cabeça, morrer...é triste, eles sabem lá o que custa para um LGBT que vive numa ilha retardada, sem centro de apoio a LGBT, etc...  ter que aguentar  e levar com isto tudo, dia após dia cada vez pior, sabem lá o que é estar na minha pele e sentir aquilo que  sinto... Não não sabem nem nunca saberão claramente, pois só quem passa pelas situações e as vivência é que sabe. Juro, já não aguento mais discussões, ter de olhar a cara deles....só me apetece mesmo fugir para bem longe daqui.
Preciso tanto de uma grande mudança de 180º na minha vida mas não sei o que fazer, sinceramente dada toda esta situação... As minhas ferias são sempre um pesadelo, sempre mas sempre ( o ano passado entrei em depressão no verão), este ano queria ir ao acampamento de verão da REA, mas eles não estão nada interessados em me deixar, não compreendem o quão importante isso seria para mim...ou então ir uma semaninha a Lisboa, para estar com os meus amigos mas eles não compreendem, para variar eles não compreendem nada de nada!

Não tenho amigos...muitas das pessoas que tinha como amigos era " " porque aproveitaram-se de mim e usaram-me...
Estou farto que me magoem, estou farto de tudo... de sofrer, quero por um ponto final e que alguém me diga, "Não te preocupes, já está tudo bem..." Finalmente acabou-se! É o fim!!!
Já estou tão farto de conseguir suportar com tudo isto cansa, e eu já estou bem cansado...estou farto de gente que não me entenda.... Só quem me percebe e quem são meus amigos -  único e exclusivamente pessoal da rede que tenho conhecido, de resto mais ninguém me entende, só me julgam dizem que sou isto ou aquilo que estou errado!

Enfim não sei que fazer a esta minha vida, tento ter força, mas ela se esgota! Sinto-me tão mal por toda esta situação, quero viver uma vida descontraída, mas parece-me que tenho é um inferno de vida...O pensamento de morrer por vezes cruza-se na minha mente, e penso que se o fizer tudo acabará de uma vez por todas mas depois volto a pensar e pensar e chego à conclusão.... Pra que morrer? Valerá de algo? Não!Nós temos uma longa vida pela frente....um futuro, se morrêssemos deixaríamos de parte todo o bem que podemos vir a fazer, bem como a criar mudança neste mundo, o nosso. A vida é bela, só tens de aprender a vive-la! Eu pessoalmente, acredito que todos nascemos com um determinado propósito, algo a fazer pela humanidade....
E sei bem que não estou sozinho, tenho os amigos da rede e todos a me acompanhar mas a realidade é que muitos deles não sabem me dizer o que fazer quanto à minha situação toda...pois nunca passaram por algo do género e não sabem como reagir...
Não tenho ninguém de família a quem possa pedir ajuda quanto a isto tudo...pois ninguém quer se meter para depois ficar como "culpado" disto ou aquilo!

Mais uma discussão cá por casa, um horror... muito violenta, o meu pai quase me batia, .... ele já o fez uma vez, (naquela primeira vez em que eu sai à noite, e cheguei a casa de madrugada ele escondeu-me o meu telemóvel e disse-se que o tinha atirado para dentro de um balde de água...e disse-lhe mil e uma vezes para me devolver o telemóvel, e depois começou a reclamar comigo, e eu  manifestei-me não gostei do que ele me disse: "Filho, eu quero que tu sejas como o pai diz!" Que absurdo completo! Eu disse: "
Nunca, nunca vou ser como tu queres!" mas num tom explosivo já porque não admiti que ele dissesse aquilo...foi então que ele me deu uma bofetada na cara! Odiei tanto!
Eu e ele nunca nos demos muito bem...)

Nesta discussão só me diziam coisas tolas, besteiras...que me fazem sentir muito mal e pensar em morrer...
A minha própria mãe perguntar-me se eu andava na pedofilia... Onde já se viu isto!
Eu disse-lhes "ainda vou arranjar provas" e eles provas já temos nós e muitas, isso é o que não falta! Isto porque é sempre a minha palavra contra a deles, eles ficam sempre com a razão toda nas mãos...
E o meu pai lá disse que vão mandar o meu pc a policia para ser revistado, porque querem saber o que faço lá...E depois só me obrigava a desligar o pc e eram dez horas da noite, tão cedo para ir dormir, o meu pai disse ou desligas ou dou cabo disso tudo, arrebento e deixo isso aos bocadinhos! Não me suportam ver a falar com amigos! Não me suportam ver fazer nada, chamam-me inútil, de pessoa sem carácter, que não sabe fazer nada e tantas mais coisas.... Disse-lhes que qualquer dia desaparecia daqui para sempre, por causa de gente tonta.

Algo que não compreendo é como é que uns pais tem a coragem de dizer essas coisas ao próprio filho, não pensando de maneira nenhuma como este se vai sentir depois de tudo... A conclusão que retiro disto tudo é que tenho uns pais que não merecem o filho que têm, eu não os suporto mais, não aguento, não quero viver com eles, cheguei ao fim, quero sair desta casa, e irei fazer tudo o que puder fazer para tal...Sei que não é nada fácil, mas tenho de fazer algo por mim já que eles não o fazem.... Preciso de ajuda mesmo.
É realmente muito difícil de perceber como é possível ser tratado assim, tanto que eu não puxo o assunto, são eles que o vão buscar e acabam por me magoar, e muito mesmo!
Não preciso de ter vergonha de ser aquilo que sou, alias quem deveria ter vergonha é quem me trata como se fosse anormal, eu até já cheguei a dizer isso na cara dos meus pais, mas eles fazem questão de se fazer de desentendidos, e tentam dar a volta, pois para eles ouvir as verdades doí, não gostam de as ouvir, custa-lhes! Mas eu cá faço questão de as dizer na cara...
Tenho IMENSO ORGULHO naquilo que eu sou, não tenho vergonha nenhuma em dizer aquilo que sou, já tive, já lá foi o tempo em que vivia escondido no meu mundo, horrivelmente mal por causa que no início eu ser homossexual era algo que não me encaixava e que não compreendia.
Acredito que alguns obstáculos aparecem no nosso caminho para nos tornar mais fortes, há coisas que a vida nos faz para nos pôr à prova. Também acho que que temos que sofrer ou que temos que passar por determinadas situações para conseguir algo, pois isso ajuda-nos a mudar perspectivas, aprendemos a crescer em pessoa e em ser.  A luta pode ser dura, mas a recompensa é enorme, e eu acredito que depois disto tudo a recompensa irá ser enorme, e irei um dia viver a minha vida, sem sobressaltos, nas calmas!
"Sê forte e não desistas." Forte já sou, e desistir comigo, é nunca, não vou deixar jamais de ser aquilo que eu sou por causa de meus pais ou outra pessoa qualquer, eu sou assim...gostem ou não!
sábado, 16 de novembro de 2013 - 0 comentários

Já não sei o que fazer ou pensar...desta vida!


Tenho passado por cada coisa desde pequeno, perdi o meu irmão à nascença e desejava muito que ele estivesse aqui comigo, ao menos tinha quem me confortar e apoiar! Estive várias vezes entre a vida e a morte e não foi nada fácil de estar cá hoje no mundo, vivo, sobrevivi a muito custo e graças à minha pediatra que me salvou e me deu vida! Isso marca-me imenso e choca-me porque é que tenho uma vida inteira de sofrimento desde pequeno até agora!
Já passei por dezenas de problemas, fui um bebé muito forte para conseguir estar cá hoje quase "perfeito", pois tive uma paralisia cerebral mas felizmente correu tudo bem e são mínimas as sequelas que apresento.
Depois na escola comecei a sofrer de bullying por parte dos colegas de turma, fizeram-me mil e uma coisas, desde o 5º ao 9º anos passei tempos horríveis, sofri sozinho, não tive ninguém do meu lado, não tive quem me ajudasse na hora que mais necessito, guardei tudo para mim, passei a sofrer sozinho, só quando já não aguentei mais um dia cheguei a casa e contei tudo a minha mãe! Ela foi à escola falou com a minha directora de turma e de nada resolveu continuei a ser gozado, espezinhado, maltratado, conhecido pela escola inteira, etc. Desde o 7º ano que já queria mudar de escola e minha mãe sempre disse que não, ate que no 9* ano aí sim mudei de escola de passei a estudar noutra cidade em vez da minha área de residência.



No início, tudo parecia estar bem mas a certa altura recomeçou o tormento, cheguei a ser ameaçado na escola por colegas da minha própria turma com uma navalha e um isqueiro, depois também entraram no meu facebook e publicaram que era homossexual e que um amigo meu tinha me ajudado a assumir a minha homossexualidade perante todos, reagi muito mal perante tal coisa... Mais uma vez não contei nada aos meus pais, depois de tanto sofrer e do medo que tinha que me fizessem mal fora da escola, resolvi ficar calado, tornei-me numa pessoa fria, distante de tudo.

No 11º ano o inferno voltou, desta vez foi bem pior, colegas da minha turma leram o meu ask.fm  (eu lá fazia a mínima ideia que eles liam essa minha rede social) e descobriram que eu gostava de rapazes (pois estava lá bem escrito) e a partir daí passaram a gozar de mim, a por piones nas cadeiras onde me sentava, chegaram a desenhar um pénis e deixaram na minha secretária numa aula de Filosofia, entornarão-me uma garrafa de leite em cima da minha roupa e foi um tormento, mais uma vez, não consegui dizer o que se passava a minha mãe ela  não fez a plena ideia de nada do que se passou, não lhe conto nada,  porque sei que vai dizer que a culpa é toda minha de estar nesta situação! A minha turma não tem ninguém que preste, o único amigo que tinha na turma difamou-me (fez-se passar por homossexual, a fim de obter fotos minhas nu para se vingar de mim, sei lá porquê, eu nunca fiz-lhe mal a ele, nem sou capaz de fazer mal a uma mosca) por toda a escola e inventou boatos sobre mim, passei realmente um mau bocado! (Arrependo-me tanto de ter mandado aquelas fotos - mas também o rapazinho foi bem lixado, as pessoas começaram a dar-lhe o pé para trás...
Lembro-me de me virem contar que ele tinha andado a mostrar o meu tumblr às funcionárias de lá da escola para me difamar que na altura estava cheio de fotos de rapazes descompostos...mas quando as pessoas se aperceberam do mal que ele me estava a fazer, começaram a fazer gozo dele!
Até um dia ele entrou na escola a dizer: "Olhem hoje a Maria (eu) esticou o cabelo!" Mas todos começaram a cortar o mal pela raiz...
Inclusive tive uma pessoa muito amiga a quem ele mostrou uma fotografia minha nu, disse-lhe: "Isso é beleza artística! Tu não tens nada de andar a difamar o rapaz, nem tu nem ninguém! Não interessa se ele é gay ou não, e se for não tens nada a ver com isso! Mete-te na tua vida, senão vais ter problemas!"

Já não me basta o que se passa em casa, ainda em todo o sitio que tenho passado desde há dois anos para cá! Não aguento deveras ficar mais um ano cá na Madeira, não quero voltar para a mesma escola, para a mesma turma novamente, não quero sofrer mais um ano, às vezes falto as aulas por já estar farto das coisas todas e não querer nada aturar a minha turma !
Não resolve de nada ter uma conversa com os envolvidos pois, já o fizeram e as pessoas são do tipo que não prestam para nada e umas criancinhas autênticas sem maturidade para a idade que têm e que só gostam de ver os outros mal e de subir na vida deitando os outros abaixo!

A minha família e outros nem fazem ideia de como eu tenho andado, é problemas na escola que tenho tido, calhei numa turma que não presta para nada, já gozaram de mim e me difamaram por tudo e mais alguma coisa…às vezes só me apetece mesmo é desistir de tudo, mas vou lutando dia após dia, com forças vindas nem sei de onde. Quero muito ter uma vida diferente, quero recomeçar do zero, eu sou um rapaz que tem muita falta de amor e carinho, quero recomeçar a minha vida fora daqui (em Lisboa), fora desta maldita ilha.

Eu, já estive com uma depressão (começou no verão de 2012 e acabou em maio de 2013) e foi mesmo muito mau, cheguei a ter pensamentos de suicídio, e o meu maior medo é voltar ao mesmo com este caus de situação que tenho vivido no dia-a-dia, pelo que vejo vou dar em maluco e cair no mesmo buraco sem fundo outra vez, se isto continua assim.
Sinto que preciso de estar um tempo só longe daqui, resolver antes de tudo os problemas que tenho comigo, e só depois um dia mais tarde (os meus pais também precisam de um longo tempo para interiorizarem as coisas que se tem passado nos últimos tempos e acreditar que nada podem fazer contra eu ser homossexual), eu preciso um tempo longe deles e eles um tempo longe de mim, a fim de tudo se compor.

Em maio recebi um e-mail de um psicólogo que me contactou, dado que recorri à AMPLOS e à própria rede ex aequo a fim de me poderem ajudar com toda esta situação gigante que não está a ser nada fácil. Custa, e está a ser bastante doloroso estar na escola a conviver com colegas que me tratam tão mal e querem afundar a minha carreira.
Não tenho malta amiga, os ditos "amigos" nem se lhes devia chamar assim, mas ok, esses só sabem dizer coitadinho e há tenho pena de ti, não fazem nada para ajudar-me.... e quando estou mal e preciso de alguém todo o mundo desaparece e vai embora!
Os únicos amigos que tenho tido, são os que tenho conhecido através do fórum da rede ex-aequo, e amigos de amigos! O problema é mesmo todos estarem longe de mim...

Email do Psicólogo (Clique em Ler Mais)

- 0 comentários

Carta aos pais...

A meados de Janeiro decidi escrever uma carta aos meus pais para clarificar as coisas e ver se realmente as coisas se compunham um pouco (mas não) a única reação deles foi pegar na referida carta e atirá-la para cima da minha secretária, estava com esperança das coisas melhorarem...mas pelos vistos mais uma vez a vida prega-me uma partida...








(Clica em "Ler mais")


sexta-feira, 15 de novembro de 2013 - 0 comentários

E "hoje" foi o meu fim!

Os meus pais desde Dezembro de 2012 que descobriram o meu segredo e desde ai, as coisas cá por casa (além de já não estarem bem na altura) pioraram e muito. Eu não me assumi directamente, a minha mãe é que descobriu o meu segredo que eu guardava e tencionava esconder por mais algum tempo, de uma forma desastrosa.

Peço desculpa pelos termos usados, desde já. Passo a contar: estava eu um dia na sala sozinho, e como estava sozinho aproveitei para ver umas fotos de rapazes no tumblr (estando estes nus), e desde já sei que não deveria ter tido tal atitude e estou muito arrependido disso, mas neste momento já não serve de nada, depois não sei como foi, a certa altura a minha mãe apareceu por trás do sofá e viu o que eu estava a fazer. A primeira reacção dela foi ficar em choque, e depois disse-me: "Há o que é isso que estas para aí a ver?”, que pouca vergonha , és a vergonha da família, não tens vergonha de ser assim, não faças eu e teu pai passar vergonhas, pelo teu irmão não faças uma coisa dessas. Irmão este que não se encontra com vida, morreu a nascença e é inadmissível os meus pais usarem o meu irmão como estratégia para “me demover da ideia de ser gay”, infelizmente eles pensam assim. Foi piorando ainda mais, “Ah tu só gostas é de levar no c*, tu não prestas, és tonto, és uma vergonha; e quem foi que te meteu isso na cabeça?”

E "hoje" foi o meu fim.... :(


Depois existem pessoas que ainda tem o completo descaramento de perguntar porque me sinto revoltado, porque reajo assim, porque tenho esta atitude ou aquela, não me compreendem por nada juro, essas pessoas de família fazem essas perguntas e além disso, ainda se fazem de desentendidas quando confrontadas com a verdade e tentam dar a volta a tudo, é exactamente o que já aconteceu em algumas consultas de pedopsiquiatria, fico sempre como o “mau da fita”. Falam todos da minha vida como se soubessem dela, mas não sabem porque se realmente soubessem não era garantido estarem vivos de momento, tenho tanta mágoa e dor cá dentro, um grande vazio, sinto-me incompleto, tenho falta de amor e carinho, tenho falta de alguém que me ame e a quem possa dar amor, que me ame, que me respeite, que me aceite, que me compreenda, ….

Outra situação quanto aos meus pais, é frequente fazer-se comentários do género: “Homens são homens, não são gatos”, “Uma pessoa por ter uma tatuagem, piercing, gostar de homens ou mulheres, não é considerada sociedade nenhuma, é a coisa mais horrível que existe, é a podridão do mundo”, “Isso não são pessoas, não são nada!”. A minha mãe inclusive já ficou contra uma psicóloga minha por esta ter-lhe dito a verdade na cara que não me estava a aceitar, devido aos factos e às atitudes que a minha mãe apresentou, a minha mãe saiu do consultório danada, argumentando que ia processar a psicóloga, que não tinha sido bem atendida, pois eu acabei por ter uma discussão feia com ela, à frente da psicóloga, pois já não aguentava mais o que sentia, e deitei tudo cá para fora.

As coisas não são nada fáceis para mim, não sei o que mais hei-de fazer, como lido com pessoas assim, sei que são meus pais e lutaram muito para estar aqui, mas houve e há atitudes deles que me revolta imenso, as vezes chego a pensar que eles não me merecem como seu filho, tratando-me como me tem tratado nos últimos tempos, a minha vida tem sido um “inferno em brasas”, os meus pais também já me levaram a sítios de astrologia outros, a fim de fazer ver, de me impor que não sou homossexual e que estou errado, que o problema está na minha mente, que isto foram coisas que me meteram na cabeça, que eu tou a agir como eu não sou, e que mais tarde hei-de me arrepender profundamente, e mais tanta conversa fiada, não acredito em nada disso, eu sei o que sou, já desde algum tempo, sei o que sinto (já tive inclusive várias vezes com um rapaz, e é com isso que me sinto bem, raparigas não me dizem nada) e isso não me demove, apenas me irrita e me faz sentir mais revoltado, mal, e com raiva com pais e família que tenho. A minha mãe e o meu pai são muito homofóbicos e preconceituosos, tenho uma família em que é tudo assim, só tenho o apoio de alguns amigos, muito poucos, mas mesmo assim não é nada fácil de eu suportar tudo....com esta grande cruz às costas!

A minha relação com os meus pais é um completo desastre eles não me aceitam, não respeitam nem tem consideração por aquilo que sou, não gostam que eu faça as minhas coisas, tenho que ser e viver como eles querem, no fundo quem escolhe o tipo de vida para mim são eles, mas eu sendo a pessoa que sou não dou o braço a torcer, sou aquilo que sou, gostem ou não. Caramba não me deixam fazer nada, desde que os meus pais e o resto das pessoas sabem, a minha vida tornou-se cada vez mais infernal, além de já o ser antes, dado que a relação com eles já não está bem praticamente há dois anos, e fui sempre aguentando aqui e ali, mas agora chegou o fim, não suporto mais, acabou-se!!!

Não consigo de nenhuma forma conviver com os meus pais, nem com esta família, mas não consigo enxergar-lhes a cara, tendo eles feito aquilo que já fizeram, é absurdo e inadmissível para mim aceitar as desculpas disso, mesmo sendo, com “os nervos em franja”, de cabeça quente, magoou profundamente, a minha própria mãe chegou-me a dizer: “É melhor pegares numa arma e matares os meus próprios pais, assim já ficas livre de nós, já que é isso que queres! É melhor isso do que dizeres que és p********!”

Como já referi antes, desde que os meus pais souberam da minha orientação sexual (homossexualidade) que o ambiente cá por casa tem sido um caus, depois familiares metem-se ao baralho e todos quando confrontados com a verdade negam tais factos e situações que me fazem passar, ficando eu como o "mau da fita", e por acaso uma das situações recentes foi a minha actual psiquiatra dar praticamente a razão toda aos meus pais e em ter-me perguntado se ainda tinha dúvidas em relação à orientação sexual, numa altura destas, tudo por causa que a minha mãe tem uma mania: "Ah só por uma ter-te dado com os pés tu viras-te." e não entende, de modo nenhum o facto de me assumir como homossexual, para ela isso dá tempo, só por volta dos trinta o devo fazer, depois de ter curso tirado e vida feita, não posso segundo eles aproveitar o agora, o momento".
Do ponto de vista deles, eu comporto-me  mal, trato-os mal, ando metido em drogas e coisas semelhantes, mas não é nada assim, as pessoas ao me dizerem certas coisas e ao estarem sempre a tocar no assunto e a falar de raparigas incomoda-me imenso, muito mesmo, já não suporto e acho que quem  precisa de mais ajuda neste momento são os meus pais do que eu, pois estes ainda não caíram em si, e se aperceberam que a situação é bem real e que isto é algo que já vem dentro de mim desde que nasci, só que se desperta mais tarde, durante a adolescência, fase pela qual ainda estou a passar, não só não estão a aceitam bem como não me respeitam, por vezes tem atitudes inadmissíveis que não são de nenhuns pais terem para com os filhos, e de facto junto ao que tenho passado na escola, já fui humilhado, difamado e mais uma série de coisas, já sofri de bullying durante anos, sai recentemente de uma depressão, e o meu estado emocional, ainda muito bom tem estado, e admiro-me e gosto de mim tal como sou, aceito-me sem complexos, admiro em mim ter uma capacidade sem fim para continuar a lutar dia após dia, contra tudo e todos. Não tem sido nada fácil a minha vida desde o nascimento, tenho passado por tamanhas situações bastante complicadas mas sempre tenho vencido na vida, vivendo um dia de cada vez, hoje não está bem, amanhã há-de ficar!